A menina que roubava livros (Resenha)

Markus Zusak

ISBN-13: 9788598078373

ISBN-10: 8598078379

Ano: 2014 / Páginas: 478

Idioma: português

Editora: Intrínseca 
A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, porém surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente – a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los em troca de dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. Essa obra, que ela ainda não sabe ler, é seu único vínculo com a família. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a cumplicidade do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que a ensina a ler. Em tempos de livros incendiados, o gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. A vida na rua Himmel é a pseudorrealidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um jovem judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela história. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa desse duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto.

Sinopse: Skoob
117013104_1GG
“Uma tentativa que é um salto gigantesco de me provar que você e sua existência humana vale a pena”.

Essa frase,  me chamou muita atenção. E é  a partir dela que pude construir, a base para o desenrola de  toda a história, maravilhosamente construída.

O livro tem como narrador a morte, e essa frase,  me chamou muito a atenção, em um cenário, frio, como pano de fundo a guerra. Esse livro parece, ser triste, sombrio, e angustiante.

Mais não  é . A doçura de Liesel Meminger,  Transforma essa história em uma grande e encantadora, e muitas vezes, engraçada.  História que vale muito a pena ler e também assistir o filme. No meu caso assisti o filme antes de ler o livro, e já advirto. O livro é muito, muito, mais incrível.

“Acho que os seres humanos gostam de assistir a uma destruiçãozinha. Castelos de areia, castelos de cartas, é por ai que começam”.

“Não tenha medo. Sou tudo,menos injusta”.

“Não há dúvida de que ela era uma roubadora de livros,mas isso não queria dizer que não devesse ter modos. Não significava que não pudesse ser educada”.

“Como era apropriado que descobrisse o poder das palavras!

10484953_642627125856106_1059542228843931697_n

 

O que Liesel, me ensinou. sobre a vida é que independente do contexto em que vivemos os livros serão  sempre, um belo e encantador refugio. O primeiro livro de Liesel foi o manual do coveiro. Quando Liesel e seu irmão estavam viajando para Munique, onde seriam entregues aos pais adotivos o  irmão caçula, Werner  morreu.  No enterro do irmão Liesel ficou  de  joelhos diante da cova  em meio a neve cavando com as mãos tentando tirar o irmão de lá. A mãe ver o desespero na filha e a pega pelas mãos para  ir embora do cemitério.   Liesel percebeu  no meio na neve algo  preto e retangular levada pela curiosidade, ela  se curvou e pegou o objeto esse foi o primeiro furto da roubadora de livros.

A menina seguiu viagem até chegar a Rua Himmel. O novo endereço seu, novo mundo . Ela agora é a  filha dos Hubermann. Rosa e Hans  Hubermann. Rosa é uma mulher de gênio forte mais no fundo tinha um bom coração. Já Hans, é o oposto na esposa, doce e paciente. Rosa lavava roupa para fora, Hans era pintor, e  todas as noites gosta de tocar acordeão. O casal,é  pobre, mas generosos o suficiente para adotar duas crianças, porém só a menina chegou a casa dos Hubermann.

Rudy Steiner. O o vizinho, melhor amigo de Liesel. Companheiro para todas as horas. Um detalhe sobre ele  (vivia sempre com fome). Esses dos vão viver uma linda amizade e se depender de Rudy, será algo muito além da amizade.

“Mais uma prova de como o ser humano é contraditório. Um punhado de bem, um punhado de mal. É só misturar com água”.

“Os seres humanos me assombram”

A menina que roubava livros, se refugiava no porão, de sua casa, para encontrar nas palavras, o encanto, a emoção, e o prazer.em uma época de guerra, fome e medo.

Do encanto que as palavras a proporciona, uma linda amizade, com o amigo, Rudy. O amor incondicional do pai adotivo. E da dedicação, apesar de ser rude e carrancuda, da mãe adotiva. Liesel. Passa por  muitos momentos lindos, outros traumáticos. Uma história inesquecível, um dos melhores , livros que já li.

O grande, feito do escritor, ao escrever, está história. É o fato de ser narrada pela morte, que se impressiona, diante do jeito, extraordinário, que Liesel, vive dia, após dia. Em meio a tantas adversidades. Resumindo a morte se encantou pelo jeito de viver de Liesel

Por Bia Oliveira

Indico o filme . É maravilhoso.

Anúncios

Extraordinário (Resenha)

R. J. Palacio


ISBN-13: 9788580573015
ISBN-10: 8580573017
Ano: 2013 / Páginas: 320
Idioma: português 
Editora: Intrínseca


O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.



Sinopse: Skoob


Status:  “Encantada” pelo August Pullmam ou simplesmente Auggie.  Gostei muito da linguagem literária, do livro. Cada personagem, narra, de que forma  conheceu, o Auggie, qual a primeira impressão,que tiveram  ao se deparar, com um garoto que tinha uma síndrome genética. que fazia dele uma pessoa diferente das outras. E como a família e os amigos conseguiram superar as diferenças.


Foi estimulado por todas essas pessoas que August, superou seu jeito, negativo de viver.   E se tornou um garoto extraordinário, que ensinou a todos que: ” Todo  o  que é  nascido de Deus vence o mundo”.

 August é um garoto extraordinário, que é muito fã de Star Wars, adora a festa de Halloeween. tem uma cachorrinha de estimação chamada Daisy e também é muito bem humorado.

Auggie um garoto de 10 anos que nunca tinha  frequentado , uma escola regula.

 “As pessoas acham que não fui á escola por causa da minha aparência, mas não é isso.É por causa das vezes que fui operado. Vinte e sete vezes desde que nasci”   

 

Frases do Agust que o revela como um pessimista :


“A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga desta forma”.

 “Talvez a única pessoa no mundo que percebe o quanto sou comum seja eu”.

O relato, mais emocionante, foi o da Olívia ou (Via ) como é carinhosamente chamada  a irmã do August, por ele, e por toda família e amigos.  Foi um relato sincero e verdadeiro sobre, os receios e os preconceitos, que também existiam dentro dela. Ela se sentia muitas vezes dividida, em si mesma. Ela amava o irmão,mas ficava muito incomodada por ter, sido muitas vezes,deixada de lado pelos pais, quando August nasceu:  egoísmo?  ciúme? preconceito?. Tudos estes sentimentos, com passar do tempo foi sendo trabalhado e superado por Via.

August é o Sol, Eu a mamãe e o papai giramos em volta dele. O restante de nossa família e de nossos amigos são asteroides e cometas flutuando ao redor dos planetas que orbitam o do Sol.  (pg 84).

  

A mamãe e papai sempre disseram que eu era a menininha mais compreensiva do mundo. Mas a questão é que eu apenas entendia que reclamar não adiantaria nada. Eu vi August depois das cirurgias : seu rostinho inchado e enfaixado, seu corpinho cheio de cateteres e tubos para mantê-lo vivo. 

Depois que você vê alguém passando por isso, parece loucura reclamar por não ter ganhado o brinquedo que pediu ou porque sua mãe perdeu a peça na escola. (Pg 84).

O que mais incomodava a Via era a maneira como as pessoas olhava pra o irmão. Porque as pessoas olhavam pra ele de forma  tão  estranha? Isso creio que não seja vergonha, ou preconceito, é amor de irmã que só queria que o irmão fosse naturalmente olhado, admirado e reconhecido, não por sua aparência anormal. Mas por ser um garoto, maravilhoso cheio de qualidades, e capaz de realizar, muitas coisas. Normalmente como qualquer outra pessoa.

Não é fácil, superar os olhares preconceituosos.Eles humilham, diminuem as pessoas.

Por mais que a sociedade evolua, preconceito é algo que habita naturalmente em nos. O preconceito é individual, e só pode ser superado, quando ele é encarado de frente.  Como? se aproximando de quem é diferente, conversando, e ás vezes até fazendo  perguntas delicadas. De um jeito mais delicado ainda. As pessoas especiais, não são de vidro, intocáveis,ou santas. São pessoas normais, tão normais na essência, como  qualquer outra pessoa. 

 O que diferencia uma pessoa com deficiência, de uma pessoa normal ? é o nível de preconceito que existe, na cabeça de cada pessoa. 

Os amigos de Augguie, encurtaram essa distância entre o preconceito e o conhecimento.  e aos poucos foram construindo uma linda amizade. Tenho plena certeza que esse livro não é apenas uma história, bonitinha, ele  é uma auto biografia de muitas pessoas ou porque elas são um pouco semelhante ao August ou porque, se tornaram amigos de um  pessoa especial e rompendo  a barreira do preconceito. Encontram um amigo EXTRAORDINÁRIO. 

 

Feliz de quem é olhado além da aparência. Muito mais feliz é que enxerga além do que a aparência é capaz de revelar”

Escrito por:     Bia Oliveira 




 Imagem: internet

Frases que ilustra, cada capítulo do livro:

 

August parte 1 

 A fatalidade sorriu e o destino gargalhou quando ela se debruçou no meu braço…

-Natalie Merchant, “Wander” 



Via parte 2 


Bem lá do alto o planeta terra é azul. E não há nada que eu possa fazer.


– David Bowie “Space Oddity” 


Summer parte 3 


Você é lindo, não importa o que digam palavras não podem derrubá-lo. Você é lindo de todas as formas. Sim, palavras não podem derrubá-lo. 

– Christina Aguilera, “Beautiful”

Jack parte 4 

Agora, esse é o meu segredo. É  muito simples. Só se pode enxergar direito com o coração. O essencial é invisível aos olhos. 

– Antoine de Saint-Exupéry, O pequeno Príncipe 

Justin Parte 5 

Ás vezes acho que minha cabeça é tão grande porque é muito cheia de sonhos, 

– John Merrick, em O homem elefante, de Bernard Pomerance 

August parte 6 

Que obra-prima é o homem! quão nobre na  razão! quão infinito na capacidade! como é expressivo e admirável na forma e nos movimentos! nas ações parece um anjo! na apreensão é como um deus! 

a beleza do mundo!…  


-Shakespeare, Hamlet 


Miranda parte 7 


Eu esqueci que podia ver tantas coisas lindas. Eu esqueci que podia precisar. Descobrir o que a vida poderia trazer. 


– Andain, “Beautiful Things”


August parte 8 


Você vai chegar ao céu voe…linda criança. 


– Eurythmics, Beautiful Child

O Visconde Que Me Amava (Resenha)

Julia Quinn


ISBN-13: 9788580411973
ISBN-10: 8580411971
Ano: 2013 / Páginas: 288
Idioma: português 
Editora: Arqueiro


A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será
Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.

Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.

Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.

Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Considerada a Jane Austen contemporânea, Julia Quinn mantém, neste segundo livro da série Os Bridgertons, o senso de humor e a capacidade de despertar emoções que lhe permitem construir personagens carismáticos e histórias inesquecíveis.



Sinopse: Skoob 

Sem deixar de lado todas as pombas, e regalias tradicionais da época, está historia trás muito bom humor, emoção, superação,e uma pitada de sensualidade.

Bom mais essa  história, tem muito mais a oferecer, do quer isso. É   um lindo conto não de fadas, mas de farpas, isso mesmo! Antony. O príncipe é lindo, sedutor, e libertino.

Kate. A princesa. Ela é apenas,conhecida como a irmã mais velha da “Incomparável”. Edwina: A “Incomparável” com seus cabelos loiros e os olhos azul- claro impactantes.

Entre os personagem mais citados no livro temos uma fofoqueira de plantão: Lady Whistledown. Uma colunista social, que não perdoa ninguém . É através está  coluna social que Kate, tem sua opinião, formada, e concreta sobre Antony.

Antony apesar de ter decidido casar, não é muito exigente em sua escolha, pois sabe que na corte não falta moças bonitas, graciosas que foram muito bem instruídas para se tornarem uma viscondessa. A única exigência do visconde era, que:

“Fosse  uma mulher, por quem  ele nunca fosse,  se apaixonar . Isso nunca poderia   acontecer”

Antony escolhe Edwina para  receber seus cortejos já que ela,  tem todos os atributos para ser uma viscondessa, com um detalhe muito importante, apesar de toda beleza da moça, Antony nunca vai se apaixonar por ela. Já que amor, paixão e atração física, não é algo, que tenha a ver diretamente com beleza.

É  através de uma  colunista  misteriosa, e seus artigos, pretensiosos.  Que Kate, toma por, fonte segura, para ter sua opinião formada, sobre quem é Antony.  Estas informações, quase sempre destaca o comportamento devasso do Visconde.

E  tudo começa assim: Edwina irmã caçula de Kate, vai debutar pela primeira vez, e disse que só se casaria com o homem que sua irmã aprovasse. E o desafio estava lançado, para, a esperta, e “quase”,indomável, senhorita. Não será fácil pra cavalheiro nenhum,  passar pelo crivo desta esperta irmã mais velha de Edwina. Só não se sabe de onde vem tanta experiência, com os homens pois Kate apesar da idade já um pouco avançada de quase 22 anos nunca foi  cortejada por alguém. Lá no fundo ela já estava se conformando com a ideia de que ficara para titia.

Como todos os rapazes já sabiam,que  para conquistar Edwina tinha que primeiro causar uma boa impressão, a sua irmã, Kate. O visconde foi lá fazer a parte dele, o que ele  nunca imaginava era  que seria tão difícil, e e por isso,  prazeroso causar uma boa impressão,em alguém. Sendo que essa pessoas era Kate, a pessoa que por antecipação e por excesso, de crônicas lidas já tinha uma  opinião, formada e solidificada sobre ele.E a opinião dela sobre ele não era lá das  melhores.

Entre uma farpa e outra um pisão de pé e outro, e com a ajuda de uma abelha essa história é simplesmente, linda adorável. E que seja adaptada paras as telonas, o mais rápido, possível.

Tive surpresas, muito agradáveis, outras emocionantes, ter contato com os mais profundos segredos,  e traumas de Antony e Kate, foi algo maravilhoso.  Se eu fosse pelo menos 10% mais sensível eu tinha chorado baldes. Embora o melhor do livro é o bom humor.

O  que vale ressaltar, É o fato de haver detalhes  picantes e  minuciosos  em alguns momentos da história.  Porém esses detalhes não chega a ser, algo vulgar, com um vocabulário, que beire o mau gosto.De jeito algum.  A linguagem é extremamente delicada.

 

O livro é maravilhoso, e o melhor é que, está coleção é composta por 8 livros. Cada livro, destaca um membro da família Bridgertons

Por Bia Oliveira

A Elite (Resenha)

A Elite

Seis garotas e uma coroa

A Seleção # 2

Kiera Cass

ISBN-13: 9788565765121
ISBN-10: 8565765121
Ano: 2012 / Páginas: 360
Idioma: português
Editora: Seguinte

Envolvente, sedutor, arrebatador, irresistível!

A disputa pela coroa continua!

A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer e ela está prestes a perder sua chance de escolher.

Sinopse: Skoob

CAPA-A-Elite

Era impossível. Eu tinha que escolher. Aspen ou Maxon? Mas como decidir entre duas boas opções? Como decidir se qualquer escolha deixaria parte de mim destruída?

Quando estava lendo, “A Elite”  e vendo que America, está cada vez mais confusa, entre:  Aspen ou Maxon. Mas as dúvidas de America vão além, de escolher, um amor. Também, está em jogo sua vida, que poderá mudar da água para o vinho.

Se America fosse apenas uma moça fútil, como a  Celeste.Uma das concorrestes.  Isso não teria nenhum  problema. Mas America têm  valores, e princípios, e coroa nenhuma, faria ela abrir não disso.

“Eu era uma cinco ou uma três? Ao final de tudo isso, seria uma Dois ou Um? Viveria o resto dos meus dias como esposa de um saldado ou de um rei? Passaria para o segundo plano, onde sempre me sentiria confortável, ou forçaria meu caminho até os holofotes, que sempre temera? Eu seria feliz nas duas situações? Conseguiria não odiar a pessoa que Maxon escolhesse se eu ficasse com Aspen? Conseguiria não odiar a pessoa que Aspen escolhesse caso eu ficasse com Maxon?”  Pg 175

 

Em A Elite, muitos temas são abordados, o coração de America dividido. Os ataques ao palácio, que são mais frequentes. Isso da um gostinho de aventura, e uma adrenalina a mais.   Mas, deste livro os podres do poder, são descobertos, Illéa, é construída a base de corrupção, submissão e abuso de poder, coisas não muito distante na nossa realidade.  Isso, aflora em America o desejo de justiça e igualdade, social. Ser a escolhida não bastava para ela, isso teria que trazer algum beneficio. Para os de casta inferior. Mas fazer alguma mudança será algo muito, mais muito difícil.

Desde de  A Seleção, eu prefiro Aspen, a Maxon. Aspen tem um coração de príncipe, e casta de plebeu, sempre honesto, fiel e super,apaixonado e fara de tudo para defender a mulher amada. Tudo que mais quero desta trilogia é ver Aspen, sendo muito feliz, com alguém. Sempre que os rebeldes invadem o castelo, meu único medo é que Aspen seja ferido ou até morto. Se isso acontecer vou sofrer muito.

Maxon por sua vez, é lindinho inexperiente, tanto com mulheres, quanto com a responsabilidade, que o espera. Sempre  tendo muito a esconder, por mais que quisesse ser sincero com America.

 

Mas nunca devemos julgar um personagem até terminar de ler, o livro. Maxon se redimiu, a duras penas, por toda confusão, que causou  a pobre, e confusa America. E também a nós pobres leitoras kkk.

 

Sabe aquele ditado: ” Nunca mexa com uma mulher ferida” . Isso é tão a América. 

 

 

11212239_750085145110303_1463018771_n

Maxon, enfim  delatou coisas inimagináveis, a America, ela pode entender o porque, de muitas coisas, os prós e os contras de ser um príncipe. E o quanto ele também é refém da própria, hierarquia.

Para terminar. . Sem tirar os méritos de “A Seleção” A Elite é gradativamente melhor que A Seleção, até porque é isso que se espera de uma trilogia, que o próximo supere o anterior. Para que a história, não fique cansativa.

 

Sem deixar de ressaltar, que Kiera Cass mostra que pode sim contar uma linda história de amor, usando uma linguagem, apropriada, para menores. Sem deixar de empolgar e envolver apaixonadamente os leitores mais experientes.

Sem preconceito. A seleção é para todas as idades.

Por Bia Oliveira

A Seleção ( Resenha)

A Seleção

ISBN-13: 9788565765251
ISBN-10: 8565765253
Ano: 2012 / Páginas: 368
Idioma: português
Editora: Seguinte


A Seleção – Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. Num futuro em que os Estados Unidos deram lugar ao Estado Americano da China e mais recentemente a Illéa, um país jovem com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças de dezesseis e vinte anos de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha.
Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes.
Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. Eles formam uma aliança, e, aos poucos, America começa a refletir sobre tudo o que tinha planejado para si mesma e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca tinha ousado imaginar.

Fonte Skoob

O que faz deste romance, algo tão especial, que,  esta encantando o mundo? Porque,  este não é mais um corriqueiro triângulo amoroso. America, Aspen e Maxon. Vivem em  um país fictício, onde existem regras muito, rigorosas. Castas que vai de 1 a 10.
As regras, consistem, em toque de recolher a partir da meia-noite. As regras eram rígidas.  A casta é o que mais me tocou nesta história. Pobreza, e descriminação.
A casta é sempre determinada, pelo homem ex: se uma moça da casta 5, (que é de nível, moderado) casa-se com um rapaz da casta 6 ela imediatamente, passa a pertencer a casta 6. quem tem um modo de vida um pouco mais difícil.Se um casal de castas diferentes resolvem  casar, tem um longo processo, burocrático, de uns 90 dias isso, é feito para que o casal até possa desistir, de casar.

É raro ver uma história, tão simples de reflexão tão profunda. onde jovens tem que trabalhar desde muito cedo para contribuir, financeiramente em casa. Mas tudo isso passa longe de ser uma história triste, diria que ela, nós ajuda a refletir sobre, como devemos dar valor a tudo que temos.

 
America e Aspen.

America, namora, Aspen, é uma namoro as escondidas. Mas, com planos de torna-lo público. Mas não seria fácil, assumir publicamente. Aspen, pertence a casta seis,  e normalmente, um rapaz da casta, seis, raramente era aceito.  Se por uma parte fosse aceito pela moça, não seria aceito pelos pais dela.

“Fiquei acordada mais um pouco, pensando em Aspen e no quanto eu o amava e me sentia amada por ele. Era uma sensação especial, insubstituível, que não tinha preço. Nenhuma rainha no trono poderia se sentir mais importante que eu”. pg 25  


Aspen: É  o garoto mais bonito da cidade.   Entre todas as castas. Moreno  de olhos olhos verdes e um sorriso que fazia você pensar que ele estava escondendo alguma coisa. Alto mas não alto demais. Magro, mas não magro demais.

America, é uma moça simples, que sonhava ardentemente, viver para sempre ao lado do amado. Aspen,mesmo sabendo que sua vida iria ser um pouco mais difícil, financeiramente, já que ela iria ser uma seis. Mas isso não, a deixava em momento,algum  com medo do futuro.

Aspen é  um bom rapaz, que trabalha muito, e come  muito pouco. America, sempre que vai  se encontrar com Aspen, na casa da árvore, leva, algo pra ele comer. America, também adora cantar para ele, e Aspen,sempre a presenteia  a com uma moeda. Gestos simples, que fazem  desse amor, algo forte e encantador.

America, deseja, e precisa de muito, pouco, para ser feliz. Aspen, tinha medo, do futuro, sabia que podia, dar, para sua amada, menos do que gostaria, ou até menos que o necessário, o que ele tinha de fartura era apenas e não menos necessário, o  amor.

Aspen e America,um casal onde a  química,rola solta,  ás vezes fica, muito difícil, conter, os impulsos…Não ter  intimidades antes do casamento, também é uma regra. Mas não era só, nesse aspecto, que eles se entrosavam. Eles adoram a família, se esforçam , ao máximo , para ajudar,  em casa.

-America Singer, um dia você vai dormir nos meus braços todas as noites. E acordar todas as manhãs com meus beijos. E algo mais. 

Algo que particularmente, amei neste livro.Pois  ressalta, o valor da família, e garanto que muitos jovens vai, se identificar, com Aspen e America.  Pois essa também é a realidade no nosso país.

 

A seleção

Fazer parte da seleção, nunca, foi o sonho de America. O coração dela, estava dividido, não queria de modo algum, ficar longe de Aspen. Mas a seleção seria, muito proveitoso, para sua família, as selecionadas, enquanto estivessem confinadas, do castelo, a família, de cada uma delas receberiam, um chegue, com um bom valor em dinheiro.
Tudo ia as mil maravilhas, mas havia outro boy  mágia na parada…

América sempre que via Maxon pela TV, o desprezava, tinha uma declarada, antipatia, por ele. Quando, surgiu, a seleção, especialmente, e insistentemente, a mãe da America, não se cansava de insistir, para a filha, fazer a inscrição.Outra pessoa que tanto insistia, era a irmã da America,  May,  uma menina,  apaixonante. Que sonhava em ver a irmã sendo princesa, de Illéa, pois ela já era a princesa no coração de May. América e May tinham uma ligação muito forte.

 “Não queria ser da realeza.Não queria ser Um. Não queria nem tentar”.

America, relutou, o quanto pode, Aspen, também, apesar de  não querer se afasta dela,  pediu, para a amada, fazer a inscrição, era uma indiscutível, oportunidade, para melhorar a renda familiar, por algum tempo.

America, enfim fez a inscrição, e felizmente, foi selecionada,a única coisa que fez ela torcer para  ser selecionada, é a ajuda que irá proporcionar, para a família.  Mas  America, tinha em seu coração outra grande razão para fugir da sua vida cotiniana. Infelizmente,   um desentendimento entre ela e Aspen.  Era uma doida, e secreta razão, para America, esta encorajada para concorrer a uma vaga entre ás 35 garotas a ser selecionadas, para uma delas ser a  escolhida de Maxon.

A ruivinha fez um baita sucesso, quando seu rosto apareceu, na TV como uma das 35 garotas selecionadas. Chamou a atenção, especialmente, por ser ruiva, embora também fosse muito bonita.
Sua simplicidade chamou muito a atenção. Pois em meio a luxo, vestidos deslumbrantes, e joias, maravilhosas. America, sempre escolhia, as roubas mais simples e na maioria das vezes, não usava nenhuma joia.

America e Maxon se conheceram de forma inesperada, e desagradável, totalmente fora do contexto, da qual as selecionadas, deveriam conhecer o príncipe. America, é bem humorada e sincera, mais do que deveria. Enfim ela estava ali pelo dinheiro, não queria fazer tipo, para conquista o príncipe.

Algo que fez a ruivinha desejar, ficar no palácio, o  maior tempo possível são as deliciosas, comidas, sem falar na sobre mesa. Por conta disso ela pediu para as costureiras, na próxima, vez alargarem um pouco, os próximos, vestidos que ela iria usar.  na hora das refeições.

Seu jeito espontâneo de ser chamou a atenção de Maxon. Uma ponta  de inveja, surgiu  em algumas candidatas.   Muitas,selecionadas  se esforçavam, para chamar, a atenção,de  Maxon. America fazia o posto.

“Experiência do príncipe com mulheres parecia ser muito grande e, ao mesmo tempo, muito pequena. Ele era um cavalheiro, mas quando chegava perto de uma mulher não sabia nem o que fazer, Era como se soubesse tratar uma dama, mas não uma namorada. Bem diferente de Aspen”.

Quando, America abriu o coração para Maxon. Maxon também, abriu o coração para America, e quando se encontravam para conversar, não era um príncipe e  uma selecionada que conversavam eram dois amigos e confidentes….
 

“Uma pessoa  que eu, pensava ninguém poder amar. E, embora não se paracesse, nem um pouco com a pessoa que eu tinha amado, ele era digno de passar a vida ao lado de alguém que o amasse. 
Maxon Schreave é a síntese de todas as coisas boas . Será um rei fenomenal.”  

A convivência, entre America e Maxon. Ficou  cada vez mais intensa, e sincera, Maxon, que pretendia,encontrar, uma esposa, através da seleção. Estava, achando, que ali entre tantas, estava o amor da sua vida.

“Não quero me apressar e tentar ser feliz com qualquer uma. Só…só quero saber se é possível…”

Se será possível, essa tal felicidade?  Maxon terá que desbancar um certo plebeu, Chamado Aspen, do coração, na ruivinha. America.


“Só conseguia focar Maxon, com uma expressão bela e maravilhada, que logo se converteu em um sorriso. Um sorriso para mim e mais ninguém…


Ser, a única no meio de uma multidão de garotas, a ganhar um sorriso do príncipeisso é algo maravilhoso.

Se você gosta de histórias, que nos lembra um  conto de fadas, com uma linguagem,que beira a  inocência. você vai amar. Essa coleção. que encanta leitores de 8 a 80 anos.

Até a próxima ! bjs 

por : Bia Oliveira

O Alquimista (Resenha)

O AlquimistaPaulo Coelho

ISBN-13: 9788575427583
ISBN-10: 857542758X
Ano: 2012 / Páginas: 176
Idioma: português
Editora: Sextante

De tempos em tempos, surge um livro capaz de mudar para sempre a vida de seus leitores. O Alquimista é um deles.

Com mais de 45 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, o mais famoso título de Paulo Coelho já se estabeleceu como um clássico moderno, atemporal e universal. Quase 25 anos após seu lançamento, segue fascinando públicos cada vez maiores, de diferentes gerações.

Simples, sábia e inspiradora, esta história refaz os passos de um pastor da Andaluzia que viaja para o deserto egípcio em busca de um tesouro enterrado nas Pirâmides.

O que começa como uma jornada para encontrar bens materiais torna-se uma descoberta das riquezas que escondemos dentro de nós mesmos.

As belas lições que Santiago aprende ao longo do caminho nos falam da sabedoria de ouvir o que diz o coração, de ler os sinais com que deparamos ao longo da vida e, acima de tudo, de seguir os nossos sonhos.

Sinopse: Skoob

 

 
“Qualquer coisa que eu disser  sobre este livro. Será  como  um grão de areia, em pleno deserto. Existem livros, que lê a gente”.

 

Com o alquimista. E suas belas lições, aprendemos, que abrir mão de uma vida cômoda e atravessa, o deserto, das nossas incertezas em busca de um grande sonho, vale apena. O alquimista é o tipo de livro, que nos acrescenta, valores, e  sabedoria. Nos ajuda a ver, com uma   nova ótica, o caminho que estamos trilhando em busca da nossa  própria, realização.

“Quando alguém tomava uma decisão, na verdade estava mergulhado numa correnteza poderosa, que levava a pessoa para um lugar que jamais havia pensado na hora de decidir”. 

O livro é enigmático, por vezes místico.Exótico e cheio de significado.  Santiago, é um jovem pastor de ovelhas. Que faz uma grande viagem, em busca de um, tesouro. Mas antes de chegar a esse tesouro, ele vai, ter que descobrir, qual é sua  lenda pessoal.

O jovem aprende no caminho em busca do tesouro, a ouvir o próprio coração, e interpreta a alma  do mundo. Mas muito mais que encontrar o tesouro, Santiago está indo, descobriu qual sua lenda pessoal.

“Quando você quer alguma coisa, todo o Universo conspira para que você realize seu desejo”. 

Já no Saara, Santiago conhece o misterioso, Alquimista. Santiago,  assim,  como muitos, acham que os grandes tesouros, são, as riquezas,materiais  mas o alquimista, ajuda, Santiago a interpretar, os mistérios do deserto, e ir em busca  da sua lenda pessoal.

 “Quando temos os grandes tesouros diante de nós, nunca percebemos. E sabe por quê? Porque os homens não acreditam em tesouros”.

O alquimista nos leva a refletir sobre nossa própria vida, na verdade, a vida do jovem pastor se confunde com a nossa. Todos nós temos sonhos. Todos buscamos nossa  realização pessoal. E nem sempre o tesouro que queremos encontrar, é algo material. as vezes, é afetivo,ou os dois ao  mesmo tempo. Enfim qualquer que seja nossa busca.

Devemos, sempre, valorizar nosso, presente, porque tudo que nos acontece, seja de bom ou ruim. Sempre tem algo a nos ensinar. Momentos difíceis, conflito interior, medo, e indecisão. Tudo isso, faz parte , do trajeto  para alcançar nossos sonhos. Estes obstáculos, não devem ser interpretados, como razões, para desistir. Mas como oportunidades, para nos  superar. Todos nos temos nossos desertos,para atravessar.

 “No presente é que está o segredo; se você prestar atenção ao presente, poderá melhorá-lo. E se você melhorar o presente, o que acontecerá depois também será melhor. Esqueça o futuro e viva cada dia de sua vida nos ensinamentos da Lei e na confiança de que Deus cuida de seus filhos. Cada dia traz em si a Eternidade”. 

Três coisas este livro me ensinou:

Ter um olhar mais contemplativo, no  dia a dia.
Saber ouvir o próprio coração.
Buscar ouvir as pessoas,que têm algo a nos ensinar.


“Ninguém consegue fugir do seu coração. Por isso é melhor escutar o que ele diz. Para que jamais venha um golpe que você não espera”. 

O alquimista, tem uma leitura, leve, é um livro que você não, terá pressa, alguma para terminar. Porque, o mais interessante, não é saber como vai terminar a história. O mais interessante , é desfrutar, da leitura.O caminho até o tesouro, é tão valioso, quanto o próprio tesouro.O alquimista, é uma fábula, fantástica.Podemos aprender  belas lições.

Espero que gostem na resenha. Até a próxima, dica. bjs

Por Bia Oliveira

Um dia (Resenha)

Um Dia

David Nicholls

ISBN-13: 9788580570458
ISBN-10: 858057045X
Ano: 2011 / Páginas: 416
Idioma: português
Editora: Intrínseca

Dexter Mayhew e Emma Morley se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro.

Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas – vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois.


Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.

Snopse: Skoob

Um dia. É romance moderno, tipo nada de romantismo, tipo príncipe encantado, com um cavalheiro, que manda flores, ou faz lindas declarações de amor. Dexter e Emma. São muito comuns. Acho que  muitos casais até podem se identificar, como essa história. Sabe quando você ouve uma música, e ela parece muito como sua vida? Assim pode ser também está história, para alguém.

A história, em si é boa. Emma e Dexter, passar a noite juntos depois festa  de  formatura dela. Foi uma noite boa, tipo casual. Nada de juras de amor. No dia seguinte, Emma e Dexter, tomam rumos diferentes, mas a amizade fica, eles se  correspondem por cartas, compartilham  as experiências vividas, são confidentes um do outro.

O que achei muito cansativo, foi as cartas, o dialogo é muito, trivial, meio boca suja.Na verdade, a maior parte do livro, é bem enfadonho, para mim faltou, um pouco de romantismo e delicadeza, com os detalhes, do cotidiano.

Imagens da resenha pertence a adaptação do livro para o cinema

Por ser um romance moderno, as minhas expectativas eram boas.  Eu não estava esperando um livro, no gênero do  Nicholas Sparks. Achei que seria um romance do tipo “O lado bom da vida” que é moderno, e muito bem humorado. Vale muito apena ler.

Emma é formada e busca se instabilizar, na vida. Aos vinte e seis anos já esta se sentindo velha e começa a ter medo de não encontrar a pessoa certa. Mas nada de muita depre. Dexter é apresentador de TV. Que tem lá seus minutos de fama. Mulheres, bebidas  e muita farra assim é a rotina de Dexter. Não quer  compromisso com nada  nem com ninguém. Ele só  obedece aos próprios  instintos.

O tempo passa para todos, e para Dexter e Emma. Também passou. Agora eles não são mais jovens, Dexter, já não tem mais fama e muito menos seus amigos de farra. Emma é uma escritora iniciante, que já começa fazendo  sucesso.

Depois de vinte anos de amizade, e de duas transas casuais. Mas que teve muito significado. E de tantas tentativas frustradas, de ambos, tentando ter uma vida a dois com outras pessoas Dexter e Emma. Tentam se darem  uma chance.

Imagens da resenha pertence a adaptação do livro para o cinema

A história de amor é muito bonita, nós faz refletir, sobre o medo que os jovens tem de assumir, um relacionamento serio. Acham que se comprometer com alguém é perder tempo. Que escolher uma pessoa é levar prejuízo, quando se tem tantas alternativas.Durante  o passar do tempo aprendemos que, existem muitas pessoas ao nosso redor, interessadas, no que temos. E que poucas pessoas estão ao   nosso redor pelo que somos.

Mas o tempo passa, o corpo muda e os sinais do tempo não perdoam ninguém. E o que importa é realmente ter alguém a quem amar. Apesar das rugas, da barriguinha, dos cabelos brancos.

Amar sempre vale a apena. E quem perde tempo  é aqueles que tem medo de amar. A vida é breve e temos que ser feliz sem medo.

Este livro não é um dos meus favoritos. Ele é extenso, porém não é intenso. Foi cansativo, na maior parte do tempo.  também a questão das datas. ficou um pouco confusa . Tudo é uma questão de gosto e de empatia pela forma que o escritor conduz a história.

Espero ter ajudado, bjs

Por Bia Oliveira

obs:  Imagens da resenha pertence a adaptação do livro para o cinema

Como Eu Era Antes de você (Resenha)

Como Eu Era Antes de VocêJojo Moyes
ISBN-13: 9788580573299
ISBN-10: 8580573297
Ano: 2013 / Páginas: 320
Idioma: português
Editora: Intrínseca

Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade – um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas – e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.

Sinopse. Skoob

Olá ! pessoas,que  como eu  adoram viver, entre páginas e histórias. E cá pra nós, a vida de
leitor, nós trás, tantas surpresas e emoções,não é mesmo?  só quem tem este estilo de vida. Pode compreende

Uma das maiores, emoções, literárias, que senti foi quando li o livro. Como Eu Era Antes de Você. Quando estava no meio da leitura, meu desejo, era um só. Tudo o  que mais queria era ver está história, sendo adaptada para o cinema. e este desejo esta si tornado realidade. A cada nova foto publicada das cenas do filme meu coração vai a mil. O segundo livro que   dá continuação a história com o titulo: Depois de você.  Esté ainda não li. mas pretendo le-lá em breve.

 

“Você só vive uma vez. É  sua obrigação aproveitar a vida da melhor forma possível. “(Will Traynor)
As vezes tudo começa, quando achamos, que só nos resta o fim. Assim é a história de Will Traynor. Jovem com 35 anos cheio de vida e dinheiro é atropelado por uma moto, e fica tetraplégico. Em uma cadeira de rodas e totalmente dependente. E depressivo, acha que sua única saída é a morte.
Louisa Clark, uma moça cheia de vida que trabalha para ajudar a família, é despedida do café onde trabalha.
A maior tristeza da família Traynor, não é a nova condição física  de Will, mas sua condição emocional totalmente, excluído do mundo por vontade própria.

Quando Louisa carinhosamente chamada de (Lou). Vai trabalhar na casa dos Traynor. Sua maior qualificação é a falta de capacitação, para trabalhar como cuidadora. Lou por não entender nada sobre como cuidar de Will, seu trabalho, muitas vezes se resume apenas em cuidar na limpeza do lugar em que Will vive.  Um lugar reservado na  mansão onde  mora com a família.  lou  fazer companhia para Will, e as vezes auxilia o enfermeiro Natan com os cuidados diário, que um tetraplégico, necessita.  Will, Lou e Natan, as poucos vão se familiarizado. Will é um rapaz,, mal-humorado,  chato triste. Porém muito culto, inteligente. Apesar na deficiência Will conserva, ainda   um pouco do charme e imponência, que tinha antes do acidente. Will por ser um homem culto, aos poucos começa a dividir seu conhecimentos com Lou, musicas, filmes livro…    Aos poucos isso vai encantando a moça que vive em um mundo muito diferente.  Lou namora Patrick, um triatleta, e o namoro é tão sem graça que as poucos quando ela esta com ele, se pega pensando em   Will.

Uma coisa que acho muito fofo é o fato de Will sempre mencionar Lou pelo seu sobrenome “Clark”. Lou é uma moça bem humorada, atrapalhada, e muito competente. Gradativamente, esse casal passa a viver grandes aventuras. Algo, que valoriza muito a história, é o fato de contar com detalhes de um jeito muito sutil, o dia a dia de um tetraplégico.Suas limitações, como também suas capacidades.

Essa história nos causa um turbilhão de emoções, os personagens Lou e Will, ambos são muito carentes, Will, foi abandonado pela namorada, quando ele sofreu o acidente. Lou por outro lado, namora um cara malhado, atleta, que só pensa em treinos e maratonas. Mesmo estando fisicamente junto do namorado, Lou senti-se sozinha e incompleta. Uma sensação completamente diferente, da que ela sente quando está ao  lado de  Will. Lou ao lado do Will se sente segura, e o mundo dos dois mesmo sendo diferentes, vão se entrelaçando, de uma forma muito espontânea e completamente, linda.

A missão de Lou é mostrar ao Will o quanto vale apena viver, mesmo na condição que ele se encontra.
Essa história é uma linda lição de vida. Eu ri,  e me emocionei, muito.

Até a próxima postagem, bjs

Por Bia Oliveira

A cidade do sol (Resenha)

A Cidade do
Sol  
Khaled Hosseini

ISBN-13: 9788520935521
ISBN-10: 8520935524
Ano: 2013 / Páginas: 368
Idioma: português
Editora: Nova Fronteira

Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: “Você pode ser tudo o que quiser.” Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do “todo humano”, somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

Sinopse: Skoob

ArquivoExibir

“Assim como uma   bússola precisa apontar para o norte, assim também o dedo acusador de um homem sempre encontra um mulher á sua frente, sempre. Nunca se esqueça disso”.

 Mariam, personagem central de  : “A cidade do sol” sempre ouvia de sua mãe, está frase.  Nana. é uma mulher, cheia de dores e rancores. Mariam cresceu ouvindo a mãe colocar sobre os seus ombros  toda a infelicidade, e os sacrifícios feito  por, ela.  Era culpa da pequena e inocente  Mariam. Ela tinha cinco anos quando ouviu a mãe chamá-la pela primeira vez de “Harami” que significa bastarda. A menina é  fruto de uma relação ilegítima. Seu pai Jalil é um homem rico,  têm  três esposas e nove filhos legítimos e Mariam.  Nana, era empregada na casa de Jalil, quando a barriga da moça cresceu, a família de Jalil, o pressionou para despedir Nana. Assim ele fez. Mariam cresceu distante de tudo, vivia em um mundo a parte, seu pai ia visitá-la, uma vez por semana. Onde ela mora em uma Kolba. Perto de um riacho. Tudo o que a menina conhece  fora daquele lugar são as histórias contada pelo, pai, que fala sobre, filmes e  sorvetes. Miriam vive deste lugar até seus  15 anos com a mãe…

A cidade do sol é dividida em quatro partes: A história começa quando Mariam tem cinco anos e volta um pouco no tempo, para 1959. Ano em que Mariam nasceu   E termina  em 2003.

Mariam não é a única personagem, que tem destaque, na história. Laila também é uma notável, e apaixonante personagem. A cidade do sol, tem como tema as mulheres. Mulheres, que vivem, de formas diferentes, em um país, de cultura totalmente, diferente, no que estamos acostumadas. Mulheres que muitas vezes se vestem de burca, outras usam lenços, essas pequenas e significantes, variações, em seus comportamentos, depende, de duas coisas: do governo, e dos esposos.

Uma das partes, mais tristes, desta história, é quando, se relata a covardia de um homem. Diante da fragilidade, de uma mulher, a fragilidade, não é apenas física, como também cultural, e jurídica.  A mulher só tem um direito: obedecer ao marido. Diante da lei ela só encontra, punições, nunca defesa.

Laila. tem nove anos é uma linda menina, que adora estudar. Tem muitos sonhos, encorajada belo pai que é professor, sonha em ter uma profissão e fazer, muita diferença para seu país, onde mulheres  que trabalham  ainda é um tabu, poucas têm  o privilégio, de seguir uma carreira. Pois a maioria das meninas, tem seus destinos traçados desde  muito sendo.  Quando são  entregues    pelos próprios pais,para se casarem.  e na maioria das vezes, estes homens, são bem mais velhos que as meninas. Laila é uma menina muito solitária, seus irmãos foram para guerra, quando Laila ainda era muito pequena. Sua mãe, vive entre momentos de alegria, e depressão, muitas vezes, Laila é quem cuida da casa  enquanto sua mãe fica trancafiada por dias no quarto. Laila encontra alegria e refugio na amizade com Tariq, seu vizinho, ela também adora almoçar na casa do menino, onde ela sente um clima verdadeiramente de um lar feliz. Pois em sua casa não existe   paz, deste que os irmãos foram para guerra, a mãe de Laila, vive distante dela e do marido. Um homem paciente e amoroso.

Em um dado momento, da história, essas duas, mulheres, (Laila já será uma moça) irão, viver uma bela e forte, amizade.  Através de Mariam e Laila, Hosseini, assim como em “O caçador de pipas”, volta a nos emocionar, abordando mais uma vez a importância, e o valor, de  uma verdadeira, amizade.

A cidade do sol. Por ser uma linda, homenagem, a todas, as mulheres . Me  atrevo a dizer, que  é mais, surpreendente,  emocionante que:  “O caçador de pipas”. Em especial, quando, se  relata, três realidades, sobre as mulheres: As que se sacrificam, diariamente, para criar os filhos. As que perdem seus filhos nas guerras. E por fim as mulheres, que não podem ter filhos.

Em um país, marcado por décadas de guerras, Hosseini, de maneira, surpreendente, nos apresenta  uma história, que tem registros reais, de guerras,  e conflitos políticos, que se adéqua a vida e ao destino dos personagens. Chegando a citar os atentados de 11 de setembro. de 2001. Este livro  mistura  ficção, e realidade.

 

Tanto “O  caçador de pipas, e “A cidade do sol” nos deixa sempre uma mensagem de esperança e recomeço. Assim como o sol, nossa, esperança tem que renascer todos os dias. Pra a vida,valer apena.
Espero que esta resenha tenha ajudado você, que busca alguma referencia, sobre este livro. Que pode ser definido em apenas duas palavras: Emocionante e Perfeito.

Obrigado pela visita.

Por Bia Oliveira.

Dançando sobre cacos de vidro (Resenha)

Dançando Sobre Cacos de VidroKa Hancock

ISBN-13: 9788580412079
ISBN-10: 8580412072
Ano: 2013 / Páginas: 336
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Lucy Houston e Mickey Chandler não deveriam se apaixonar. Os dois sofrem de doenças genéticas: Lucy tem um histórico familiar de câncer de mama muito agressivo e Mickey, um grave transtorno bipolar. No entanto, quando seus caminhos se cruzam, é impossível negar a atração entre eles.

Contrariando toda a lógica que indicava que sua história não teria futuro, eles se casam e firmam – por escrito – um compromisso para fazer o relacionamento dar certo. Mickey promete tomar os remédios. Lucy promete não culpá-lo pelas coisas que ele não pode controlar. Mickey será sempre honesto. Lucy será paciente.

Como em qualquer relação, eles têm dias bons e dias ruins – alguns terríveis. Depois que Lucy quase perde uma batalha contra o câncer, eles criam mais uma regra: nunca terão filhos, para não passar adiante sua herança genética.

Porém, em seu 11° aniversário de casamento, durante uma consulta de rotina, Lucy é surpreendida com uma notícia extraordinária, quase um milagre, que vai mudar tudo o que ela e Mickey haviam planejado. De uma hora para outra todas as regras são jogadas pela janela e eles terão que redescobrir o verdadeiro significado do amor.Dançando sobre cacos de vidro é a história de um amor inspirador que supera todos os obstáculos para se tornar possível.

Sinopse: Skoob



“Todo casamento é uma dança: complicada ás vezes, maravilhosa, em outras. Porém haverá momentos em que vocês dançaram sobre cacos de vidro”. capa do livro

Uma blogueira em cacos! Olá queridos leitores! É assim mesmo, que estou me sentindo, após ler este livro.  “Um caco”, emocionalmente. Ao ler a sinopse deste livro, gostei, achei que seria uma história super, emocionante e linda. Mas ela não é apenas isso. Ela é uma linda lição sobre o que é o “AMOR” na sua essência, e nos seus  atos.

Muitas vezes, somamos o amor pela razões, da qual o outro nos faz, feliz. Com esta história apreendemos que o verdadeiro, amor é medido pelas vezes que conseguimos suportar, os momentos difíceis, ao lado de quem amamos.

Contra tudo e todos, Lucy, encorajou-se e começou a namorar Mickey. Mickey muito inseguro, tomado de amor e admiração, em um jantar romântico pediu  Lucy em namoro. Antes mesmo de se casarem Lucy presenciou, a primeira grande crise de Mickey, isso serviu como um duro teste, para Lucy, pois ela iria enfrentar alguns daqueles ataques psicóticos, ao longo de sua vida ao  casar com Mickey. Mas isso só fez com que ela tivesse certeza do quanto amava  Mickey. Após   cada  crise  e internação de Mickey. Quando ele voltava a vida normal. Tudo recomeçava. E o amor se fortalecia  ainda mais.

 

…Essa mulher ainda me fascina, sobre tudo em momentos como este, quando saio do buraco com o cérebro embotado e a primeira coisa que consigo enxergar com nitidez é o meu amor. Todo ser humano que não bate bem deveria ter a mesma sorte.    Mickey 

Mickey era empresário, dividia a administração da casa noturna, com o amigo. Lucy era professora. Os dois viviam em uma cidade, pacata. Mickey e Lucy moravam na casa em que Lucy cresceu, os vizinhos, eram verdadeiros amigos, do casal. E todos sabiam dos problemas, do casal e sempre os ajudavam. Quando Lucy já estava casada venceu um câncer.Lucy  e as irmãs Lily e Priss. Faziam periodicamente, exames de prevenção. Contra o câncer de mama.  Essas três irmãs, eram exemplo de cumplicidade, e união.

Quando a vida de Lucy e Mickey ia a mil maravilhas.  Em seus exames de rotina Lucy descobre, o impossível! Ela esta gravida. Impossível, porque Lucy depois de ter vencido câncer, ligou as trompas. Pra não correr o risco de engravidar, e passar para sua filha a triste herança, genética de sua família. E também pela herança genética de Mickey. A bipolaridade, Tinha levado a Mãe de Mickey a cometer suicídio. A avó, e a mãe de Lucy tinham falecido, por causa do câncer de mama.  Essas foram as razões que lavaram o casal, , a não ter filhos.

A noticia pegou a todos de surpresa. E Lucy desde o primeiro instante, tinha certeza de que o bebê seria uma menina.

Quando todos, estavam curtindo a chegada da criança. Lucy e Mickey escolhendo a decoração do quarto do bebê. Lucy e todos ficam apreensivos, diante de uma pequena alteração, na mamografia de Lucy. Da apreensão, até a certeza. Lucy estava com um câncer de mana agressivo, com metástase no pulmão.

A primeira  alternativa mais eficaz, para salvar  Lucy era a  quimioterapia e radioterapia . Agressivas.Para isso Lucy foi, aconselhada   pelos médicos, a fazer um aborto. Sua família entrou em desespero com o diagnostico, e insistiram  para Lucy fazer o aborto.   Ela optou por, tardar o tratamento e seguir com a gravidez. Mesmo tendo uma possibilidade remota de cura, Lucy optou pela vida da filha.

Essa para mim, foi a parte mais dramática da  história. Todos os dois lados tinham razão, a família de Lucy e o esposo queriam, que ela começasse, imediatamente o tratamento e fizesse o aborto. Ela por sua vez, tinha um forte argumento, ela era mãe. Ela racionalmente, tinha evitado de todas as formas, uma gravidez, e ela aconteceu mesmo assim. Por um milagre. Creio que no mundo não há decisão mais difícil,do que escolher, entre a vida de duas pessoas que amamos. E ver uma delas partir.

“O amo tanto que, se pudesse, dançaria contigo para sempre sobre cacos de vidro.” Lucy 

Nesta história tudo é muito a flor da pele, nada em nem um momento, nessa  história tem, romance tipo conto de fadas. A história deste casal, é linda, e  singeleza. Tudo é muito singelo e fascinante. A não ser pelos problemas que secam este casal. E quando tudo, era caos, a força do amor, capacitava  para tudo suportar  e superar. Com eles o momento de ser feliz era    sempre, o hoje. Pois amanhã Mickey poderia ter um surto, ou Lucy ser diagnosticada, com câncer. O futuro é sempre incerto, para qualquer um de nós. E para eles eram muito mais.

O livro têm 329 páginas, cada paragrafo contem significado, e importância, da composição da história. A narração é aleatória, vai do passado para o presente, de um  paragrafo, para o outro. De um personagem, para outro.  A leitura prende e emociona os leitores, de forma impressionante. A história é inesquecível. 

Por : Bia Oliveira