Neve na Primavera (Resenha)

Seattle, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar. Ela odeia o turno da noite, mas o emprego de camareira no hotel garante o sustento de seu filho.

Na manhã seguinte, o dia 2 de maio, uma nevasca desaba sobre a cidade.

Vera se apressa para chegar em casa antes de Daniel acordar, mas encontra vazia a cama do menino. O ursinho de pelúcia está jogado na rua, esquecido sobre a neve.

Na Seattle do nosso tempo, a repórter Claire Aldridge é despertada por uma tempestade de neve fora de época. O dia é 2 de maio. Designada para escrever sobre esse fenômeno, que acontece pela segunda vez em setenta anos,

Claire se interessa pelo caso do desaparecimento de Daniel Ray, que permanece sem solução, e promete a si mesma chegar à verdade. Ela descobrirá, também, que está mais próxima de Vera do que imaginava.

Olá queridos visitantes ! O que acharam da sinopse? envolvente né ? A capa eu achei linda! Mas não foram esses, adjetivos, que me incentivaram, a ler este livro. O que me incentivou em primeiro lugar foi a autora. SARAH JIO. Sarah. escreve de forma instigante, envolvente. Do tipo que é quase impossível, largar o livro antes de terminar de ler. Ela não perde tempo com mi,mi,mi… Todos os parágrafos se tornam necessários, para o desenrolar, da história.

Essa forma de escrita é uma característica na autora. Embora este livro em questão seja um drama. A autora no romance:  “O bangaló”  (tem resenha dele aqui no blog).Usa a  mesma forma que envolver, e  que nos deixar sem folego, com a intensidade, dos acontecimentos, praticamente da primeira a última página.

Mas vamos focar, no “Neve na primavera” para recomendar com poucas palavras: Leia é sensacional! Sendo um pouco  mais extensa… O livro é intercalado.  O primeiro capitulo é sobre Vera. O segundo é sobre Claire. e assim sucessivamente. De forma que parasse que estamos lendo dois livro. Sem confusão, sem excesso, de personagens. Mas algo que têm em excesso são  mistérios, pistas, vestígios,e tristeza. Afinal é um drama.

“Não desanime. As coisas mais difíceis sempre se transformam nas mais recompensadoras”.

A jornalista Claire Aldridge. Vive um drama pessoal, depois de um acidente, ela está passando por uma crise conjugal. Por isso anda desestimulada, tanto na vida pessoal, quanto na profissional. Quando a jornalista chega, na redação do jornal. Em  um dia de primavera, que para surpresa de muitos está nevando. Claire, recebe uma ordem do chefe,para  fazer uma matéria, sobre este fenômeno, que coincidentemente, aconteceu no mesmo dia e mês muitas e muitas décadas atrás. Sem saber por onde começar, ela busca, nos arquivos do jornal, algo que há faça começar a matéria. Ela não encontra nada de interessante. Mas pesquisando com mais atenção descobriu uma nota de um jornal sobre um  menininho Daniel Ray  de 3 anos desaparecido, no dia da tempestade de neve em maio de 1933. Com a ajuda da internet ela pesquisa sobre a mãe do menino Vera Ray e encontra  vários boletins de ocorrência. De uma mãe desesperada que perdeu, seu filhinho.  Cleire e a amiga Abby, fica muito comovidas com a história. Porém um detalhe intriga as amigas de trabalho: o fato é que o jornal “O herald ” Jornal em que elas trabalham e que desde a fundação, do jornal até os dias atuais pertence a família  do marido da Claire.  não publicou nenhuma  nota sobre o caso. Do menino Daniel.

O caso inicialmente, mexeu com Claire, mas ao ir cada vez mais fundo no caso, ela descobrira, que faz parte desta história, ao ponto de lugares cotidianos, onde frequenta  e de objetos pessoais que lhe pertence são  elos importantíssimos, para chegar, ao  fim neste mistério que por muitas décadas, estava, esquecido. E sem desfecho. Duas mulheres, que viveram em épocas,diferentes, porém viveram dores, semelhantes. Claire nunca imaginaria, que também faz parte desta história. E que sua investigação, iria, tão longe. Seu empenho foi recompensado, com um final extremamente. emocionante, e inimaginável.

Por Bia Oliveira

O Julgamento de Gabriel (O Inferno de Gabriel #2)

SO_JULGAMENTO_DE_GABRIEL_1392659055Bylvain Reynard 

ISBN-13: 9788580411850
ISBN-10: 8580411858
Ano: 2013 / Páginas: 384
Idioma: português
Editora: Arqueiro

Eles estão vivendo uma paixão arrebatadora. Mas muitas pessoas são contra esse amor. Gabriel Emerson e Julia Mitchell se conheceram há muito tempo, quando ela ainda era adolescente, numa noite mágica e confusa. Mas, apesar de todo o sentimento que nasceu entre eles, no dia seguinte seus caminhos se separaram. Anos depois eles se reencontraram quando Julia começou o mestrado na Universidade de Toronto. Gabriel era um professor enigmático, sedutor e muito arrogante que a atormentava e perseguia. No entanto, o que mais fazia Julia sofrer era ele não se lembrar dela. Mas nem mesmo o insensível Gabriel é capaz de resistir à profunda conexão que existe entre eles e logo os dois embarcam numa tórrida paixão proibida. Com o fim do semestre e do curso ministrado por Gabriel, eles deixam de ser professor e aluna e enfim estão livres para viver seu amor. Ou pelo menos era o que pensavam. Após uma viagem romântica para a Itália, durante a qual Gabriel ensina a Julia todos os mistérios do prazer e, em troca, aprende com ela o significado do amor verdadeiro, os dois veem seus sonhos ameaçados. Duas denúncias junto ao Comitê Disciplinar da Universidade põem em risco o emprego de Gabriel e a carreira brilhante e promissora de Julia. Será que o professor vai ceder às ameaças ou irá lutar até o fim por sua amada? Será que essa paixão conseguirá resistir a um julgamento implacável? Na apaixonante sequência de O inferno de Gabriel, Sylvain Reynard constrói uma bela história de amor, da qual os leitores jamais se esquecerão.

Literatura Estrangeira / Romance

O Julgamento de Gabriel. Inicia, dando continuidade, ao clima, romântico, em que termina: O inferno de Gabriel. Mas dura  pouco,  Logo vem  a tona, todos os problemas e consequências. Desastrosas, que Gabriel e Julia.Tanto temiam.

Julia, e sua imaturidade, está sendo, uma surpresa para mim. Achei que iria defende-lá até o fim porém…  Ela é uma (xarope). O lado frágil, tímida e insegura, de Julia. No livro anterior, até tinha seu charme e encanto. Mas no segundo livro se tornou algo chato, demais.
Em alguns momentos, tenho vontade de gritar:  GABRIEL ESTÁ MULHER NÃO TE MERECE !!!!!…. Se por um lado Gabriel, está amadurecendo Julia está retrocedendo. Na verdade está havendo  uma inversão de personalidade, entre os dois.

Achei necessário, o espaço, que o autor dedicou  aos antagonistas : Paul, Christa e Paulina. Sendo sucinto. E justo, com cada um deles.

Um ponto que desgastou a leitura, foi exatamente, os protocolos, do conselho disciplinas, na universidade. Era necessário, mas achei muito enfadonho. O foco sendo o julgamento, de Gabriel, não teria como simplificar, estes detalhes.

Particularmente adorei os capítulos, referentes a Gabriel. O recolhimento, seu encontro particular com Deus. Sua transformação interior. São detalhes, que emocionam. Gabriel é um personagem que tenha  tudo para ser odiando, mas devido sua transformação, ele se torna um, homem incrivelmente maravilhoso. Sem perder suas características, peculiares na arte, da sedução. Agora, essas peculiaridades, são totalmente, exclusivas, para demostrar, seu amor e veneração, por Julia. De protagonista, problemático, há protagonista apaixonante. Gabriel, está indo, em busca da sua redenção.

Achei o livro, bom.Não superou “O inferno de Gabriel”. Mas também não decepcionou.   O melhor ficou reservado, quando se  aproximava do final. Muitas atitudes, de Gabriel, que são vistas de maneira errada. Fazendo ele ser julgado, por Julia e sua família como, um caso perdido. Ganham justificativas,favoráveis, e mostra que Gabriel, está com o firme proposito de alcançar a redenção.   Fazendo com que a história, ganhe vigor, e um gostinho de final. Diria  que se a história tivesse fim neste livro seria muito, satisfatória. Vale apena ler, mesmo se em algum momento ele se tornar cansativo. O termino dele é recompensador.

Não poderia finalizar está resenha sem mais uma vez, fazer referencia. Ao diferencial, nesta trilogia. A cultura, que passa pela: obras literárias, música, pinturas e lugares históricos. O autor é imensamente, genial quando mistura,obras de artes a ficção.Se naturalmente ler, já nos leva a viajar sem sair do lugar. Este livro, vai um pouco além disso, ele nós dá um lindo roteiro de viagem. Ah! se eu tivesse a chance de ir para Itália, eu já teria um belíssimo roteiro, de  viagem.

Por Bia Oliveira

Obras citadas no livro : 

 

Madona da Romã, 1487

 

A Primavera, 1477-1478

 

Rostos de Simonetta Vespucci.

 


Perseu Libertado Andrômeda.Piero Casimo



 
 
 
Fonte das ilustrações 

http://chatasdeatenas.blogspot.com.br/2012/09/mulheres-de-sandro-botticelli.html

https://en.wikipedia.org/wiki/Perseus_Freeing_Andromeda

A menina que roubava livros (Resenha)

Markus Zusak

ISBN-13: 9788598078373

ISBN-10: 8598078379

Ano: 2014 / Páginas: 478

Idioma: português

Editora: Intrínseca 
A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, porém surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente – a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los em troca de dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. Essa obra, que ela ainda não sabe ler, é seu único vínculo com a família. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a cumplicidade do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que a ensina a ler. Em tempos de livros incendiados, o gosto de roubá-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. A vida na rua Himmel é a pseudorrealidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um jovem judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela história. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa desse duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto.

Sinopse: Skoob
117013104_1GG
“Uma tentativa que é um salto gigantesco de me provar que você e sua existência humana vale a pena”.

Essa frase,  me chamou muita atenção. E é  a partir dela que pude construir, a base para o desenrola de  toda a história, maravilhosamente construída.

O livro tem como narrador a morte, e essa frase,  me chamou muito a atenção, em um cenário, frio, como pano de fundo a guerra. Esse livro parece, ser triste, sombrio, e angustiante.

Mais não  é . A doçura de Liesel Meminger,  Transforma essa história em uma grande e encantadora, e muitas vezes, engraçada.  História que vale muito a pena ler e também assistir o filme. No meu caso assisti o filme antes de ler o livro, e já advirto. O livro é muito, muito, mais incrível.

“Acho que os seres humanos gostam de assistir a uma destruiçãozinha. Castelos de areia, castelos de cartas, é por ai que começam”.

“Não tenha medo. Sou tudo,menos injusta”.

“Não há dúvida de que ela era uma roubadora de livros,mas isso não queria dizer que não devesse ter modos. Não significava que não pudesse ser educada”.

“Como era apropriado que descobrisse o poder das palavras!

10484953_642627125856106_1059542228843931697_n

 

O que Liesel, me ensinou. sobre a vida é que independente do contexto em que vivemos os livros serão  sempre, um belo e encantador refugio. O primeiro livro de Liesel foi o manual do coveiro. Quando Liesel e seu irmão estavam viajando para Munique, onde seriam entregues aos pais adotivos o  irmão caçula, Werner  morreu.  No enterro do irmão Liesel ficou  de  joelhos diante da cova  em meio a neve cavando com as mãos tentando tirar o irmão de lá. A mãe ver o desespero na filha e a pega pelas mãos para  ir embora do cemitério.   Liesel percebeu  no meio na neve algo  preto e retangular levada pela curiosidade, ela  se curvou e pegou o objeto esse foi o primeiro furto da roubadora de livros.

A menina seguiu viagem até chegar a Rua Himmel. O novo endereço seu, novo mundo . Ela agora é a  filha dos Hubermann. Rosa e Hans  Hubermann. Rosa é uma mulher de gênio forte mais no fundo tinha um bom coração. Já Hans, é o oposto na esposa, doce e paciente. Rosa lavava roupa para fora, Hans era pintor, e  todas as noites gosta de tocar acordeão. O casal,é  pobre, mas generosos o suficiente para adotar duas crianças, porém só a menina chegou a casa dos Hubermann.

Rudy Steiner. O o vizinho, melhor amigo de Liesel. Companheiro para todas as horas. Um detalhe sobre ele  (vivia sempre com fome). Esses dos vão viver uma linda amizade e se depender de Rudy, será algo muito além da amizade.

“Mais uma prova de como o ser humano é contraditório. Um punhado de bem, um punhado de mal. É só misturar com água”.

“Os seres humanos me assombram”

A menina que roubava livros, se refugiava no porão, de sua casa, para encontrar nas palavras, o encanto, a emoção, e o prazer.em uma época de guerra, fome e medo.

Do encanto que as palavras a proporciona, uma linda amizade, com o amigo, Rudy. O amor incondicional do pai adotivo. E da dedicação, apesar de ser rude e carrancuda, da mãe adotiva. Liesel. Passa por  muitos momentos lindos, outros traumáticos. Uma história inesquecível, um dos melhores , livros que já li.

O grande, feito do escritor, ao escrever, está história. É o fato de ser narrada pela morte, que se impressiona, diante do jeito, extraordinário, que Liesel, vive dia, após dia. Em meio a tantas adversidades. Resumindo a morte se encantou pelo jeito de viver de Liesel

Por Bia Oliveira

Indico o filme . É maravilhoso.

Extraordinário (Resenha)

R. J. Palacio


ISBN-13: 9788580573015
ISBN-10: 8580573017
Ano: 2013 / Páginas: 320
Idioma: português 
Editora: Intrínseca


O livro conta a história de Auggie, um menino que nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial. Em um manifesto em favor da gentileza, ele enfrenta uma missão nada fácil quando começa a frequentar a escola pela primeira vez: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.



Sinopse: Skoob


Status:  “Encantada” pelo August Pullmam ou simplesmente Auggie.  Gostei muito da linguagem literária, do livro. Cada personagem, narra, de que forma  conheceu, o Auggie, qual a primeira impressão,que tiveram  ao se deparar, com um garoto que tinha uma síndrome genética. que fazia dele uma pessoa diferente das outras. E como a família e os amigos conseguiram superar as diferenças.


Foi estimulado por todas essas pessoas que August, superou seu jeito, negativo de viver.   E se tornou um garoto extraordinário, que ensinou a todos que: ” Todo  o  que é  nascido de Deus vence o mundo”.

 August é um garoto extraordinário, que é muito fã de Star Wars, adora a festa de Halloeween. tem uma cachorrinha de estimação chamada Daisy e também é muito bem humorado.

Auggie um garoto de 10 anos que nunca tinha  frequentado , uma escola regula.

 “As pessoas acham que não fui á escola por causa da minha aparência, mas não é isso.É por causa das vezes que fui operado. Vinte e sete vezes desde que nasci”   

 

Frases do Agust que o revela como um pessimista :


“A única razão de eu não ser comum é que ninguém além de mim me enxerga desta forma”.

 “Talvez a única pessoa no mundo que percebe o quanto sou comum seja eu”.

O relato, mais emocionante, foi o da Olívia ou (Via ) como é carinhosamente chamada  a irmã do August, por ele, e por toda família e amigos.  Foi um relato sincero e verdadeiro sobre, os receios e os preconceitos, que também existiam dentro dela. Ela se sentia muitas vezes dividida, em si mesma. Ela amava o irmão,mas ficava muito incomodada por ter, sido muitas vezes,deixada de lado pelos pais, quando August nasceu:  egoísmo?  ciúme? preconceito?. Tudos estes sentimentos, com passar do tempo foi sendo trabalhado e superado por Via.

August é o Sol, Eu a mamãe e o papai giramos em volta dele. O restante de nossa família e de nossos amigos são asteroides e cometas flutuando ao redor dos planetas que orbitam o do Sol.  (pg 84).

  

A mamãe e papai sempre disseram que eu era a menininha mais compreensiva do mundo. Mas a questão é que eu apenas entendia que reclamar não adiantaria nada. Eu vi August depois das cirurgias : seu rostinho inchado e enfaixado, seu corpinho cheio de cateteres e tubos para mantê-lo vivo. 

Depois que você vê alguém passando por isso, parece loucura reclamar por não ter ganhado o brinquedo que pediu ou porque sua mãe perdeu a peça na escola. (Pg 84).

O que mais incomodava a Via era a maneira como as pessoas olhava pra o irmão. Porque as pessoas olhavam pra ele de forma  tão  estranha? Isso creio que não seja vergonha, ou preconceito, é amor de irmã que só queria que o irmão fosse naturalmente olhado, admirado e reconhecido, não por sua aparência anormal. Mas por ser um garoto, maravilhoso cheio de qualidades, e capaz de realizar, muitas coisas. Normalmente como qualquer outra pessoa.

Não é fácil, superar os olhares preconceituosos.Eles humilham, diminuem as pessoas.

Por mais que a sociedade evolua, preconceito é algo que habita naturalmente em nos. O preconceito é individual, e só pode ser superado, quando ele é encarado de frente.  Como? se aproximando de quem é diferente, conversando, e ás vezes até fazendo  perguntas delicadas. De um jeito mais delicado ainda. As pessoas especiais, não são de vidro, intocáveis,ou santas. São pessoas normais, tão normais na essência, como  qualquer outra pessoa. 

 O que diferencia uma pessoa com deficiência, de uma pessoa normal ? é o nível de preconceito que existe, na cabeça de cada pessoa. 

Os amigos de Augguie, encurtaram essa distância entre o preconceito e o conhecimento.  e aos poucos foram construindo uma linda amizade. Tenho plena certeza que esse livro não é apenas uma história, bonitinha, ele  é uma auto biografia de muitas pessoas ou porque elas são um pouco semelhante ao August ou porque, se tornaram amigos de um  pessoa especial e rompendo  a barreira do preconceito. Encontram um amigo EXTRAORDINÁRIO. 

 

Feliz de quem é olhado além da aparência. Muito mais feliz é que enxerga além do que a aparência é capaz de revelar”

Escrito por:     Bia Oliveira 




 Imagem: internet

Frases que ilustra, cada capítulo do livro:

 

August parte 1 

 A fatalidade sorriu e o destino gargalhou quando ela se debruçou no meu braço…

-Natalie Merchant, “Wander” 



Via parte 2 


Bem lá do alto o planeta terra é azul. E não há nada que eu possa fazer.


– David Bowie “Space Oddity” 


Summer parte 3 


Você é lindo, não importa o que digam palavras não podem derrubá-lo. Você é lindo de todas as formas. Sim, palavras não podem derrubá-lo. 

– Christina Aguilera, “Beautiful”

Jack parte 4 

Agora, esse é o meu segredo. É  muito simples. Só se pode enxergar direito com o coração. O essencial é invisível aos olhos. 

– Antoine de Saint-Exupéry, O pequeno Príncipe 

Justin Parte 5 

Ás vezes acho que minha cabeça é tão grande porque é muito cheia de sonhos, 

– John Merrick, em O homem elefante, de Bernard Pomerance 

August parte 6 

Que obra-prima é o homem! quão nobre na  razão! quão infinito na capacidade! como é expressivo e admirável na forma e nos movimentos! nas ações parece um anjo! na apreensão é como um deus! 

a beleza do mundo!…  


-Shakespeare, Hamlet 


Miranda parte 7 


Eu esqueci que podia ver tantas coisas lindas. Eu esqueci que podia precisar. Descobrir o que a vida poderia trazer. 


– Andain, “Beautiful Things”


August parte 8 


Você vai chegar ao céu voe…linda criança. 


– Eurythmics, Beautiful Child

O Visconde Que Me Amava (Resenha)

Julia Quinn


ISBN-13: 9788580411973
ISBN-10: 8580411971
Ano: 2013 / Páginas: 288
Idioma: português 
Editora: Arqueiro


A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será
Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.

Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.

Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.

Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.

Considerada a Jane Austen contemporânea, Julia Quinn mantém, neste segundo livro da série Os Bridgertons, o senso de humor e a capacidade de despertar emoções que lhe permitem construir personagens carismáticos e histórias inesquecíveis.



Sinopse: Skoob 

Sem deixar de lado todas as pombas, e regalias tradicionais da época, está historia trás muito bom humor, emoção, superação,e uma pitada de sensualidade.

Bom mais essa  história, tem muito mais a oferecer, do quer isso. É   um lindo conto não de fadas, mas de farpas, isso mesmo! Antony. O príncipe é lindo, sedutor, e libertino.

Kate. A princesa. Ela é apenas,conhecida como a irmã mais velha da “Incomparável”. Edwina: A “Incomparável” com seus cabelos loiros e os olhos azul- claro impactantes.

Entre os personagem mais citados no livro temos uma fofoqueira de plantão: Lady Whistledown. Uma colunista social, que não perdoa ninguém . É através está  coluna social que Kate, tem sua opinião, formada, e concreta sobre Antony.

Antony apesar de ter decidido casar, não é muito exigente em sua escolha, pois sabe que na corte não falta moças bonitas, graciosas que foram muito bem instruídas para se tornarem uma viscondessa. A única exigência do visconde era, que:

“Fosse  uma mulher, por quem  ele nunca fosse,  se apaixonar . Isso nunca poderia   acontecer”

Antony escolhe Edwina para  receber seus cortejos já que ela,  tem todos os atributos para ser uma viscondessa, com um detalhe muito importante, apesar de toda beleza da moça, Antony nunca vai se apaixonar por ela. Já que amor, paixão e atração física, não é algo, que tenha a ver diretamente com beleza.

É  através de uma  colunista  misteriosa, e seus artigos, pretensiosos.  Que Kate, toma por, fonte segura, para ter sua opinião formada, sobre quem é Antony.  Estas informações, quase sempre destaca o comportamento devasso do Visconde.

E  tudo começa assim: Edwina irmã caçula de Kate, vai debutar pela primeira vez, e disse que só se casaria com o homem que sua irmã aprovasse. E o desafio estava lançado, para, a esperta, e “quase”,indomável, senhorita. Não será fácil pra cavalheiro nenhum,  passar pelo crivo desta esperta irmã mais velha de Edwina. Só não se sabe de onde vem tanta experiência, com os homens pois Kate apesar da idade já um pouco avançada de quase 22 anos nunca foi  cortejada por alguém. Lá no fundo ela já estava se conformando com a ideia de que ficara para titia.

Como todos os rapazes já sabiam,que  para conquistar Edwina tinha que primeiro causar uma boa impressão, a sua irmã, Kate. O visconde foi lá fazer a parte dele, o que ele  nunca imaginava era  que seria tão difícil, e e por isso,  prazeroso causar uma boa impressão,em alguém. Sendo que essa pessoas era Kate, a pessoa que por antecipação e por excesso, de crônicas lidas já tinha uma  opinião, formada e solidificada sobre ele.E a opinião dela sobre ele não era lá das  melhores.

Entre uma farpa e outra um pisão de pé e outro, e com a ajuda de uma abelha essa história é simplesmente, linda adorável. E que seja adaptada paras as telonas, o mais rápido, possível.

Tive surpresas, muito agradáveis, outras emocionantes, ter contato com os mais profundos segredos,  e traumas de Antony e Kate, foi algo maravilhoso.  Se eu fosse pelo menos 10% mais sensível eu tinha chorado baldes. Embora o melhor do livro é o bom humor.

O  que vale ressaltar, É o fato de haver detalhes  picantes e  minuciosos  em alguns momentos da história.  Porém esses detalhes não chega a ser, algo vulgar, com um vocabulário, que beire o mau gosto.De jeito algum.  A linguagem é extremamente delicada.

 

O livro é maravilhoso, e o melhor é que, está coleção é composta por 8 livros. Cada livro, destaca um membro da família Bridgertons

Por Bia Oliveira

A Escolha (Resenha)

A Escolha

A Seleção # 3

Kiera Cass

iSBN-13: 9788565765374
ISBN-10: 8565765377
Ano: 2014 / Páginas: 352
Idioma: português
Editora: Seguinte

No aguardado terceiro volume da série A Seleção, America já fez sua escolha, mas ainda há muitas outras em jogo. Com o fim do concurso cada vez mais próximo, e as ameaças rebeldes ao palácio ainda mais devastadoras, ela precisará lutar para alcançar o futuro que deseja.

America era a candidata mais improvável da Seleção: se inscreveu por insistência da mãe e aceitou participar da competição só para se afastar de Aspen, um garoto que partira seu coração. Ao conhecer melhor o príncipe, porém, surgiu uma amizade que logo se transformou em algo mais¿ No entanto, toda vez que Maxon parecia estar certo de que escolheria America, algum obstáculo fazia os dois se afastarem.

Um desses obstáculos era Aspen, que passou a ocupar o posto de guarda no palácio e estava decidido a reconquistar a namorada. Em encontros proibidos, ele a reconfortava em meio àquele mundo de luxos e rivalidades. Com essas idas e vindas, America perdeu um pouco de espaço no coração do príncipe, lugar que foi prontamente ocupado por outra concorrente. Para completar, o rei odiava America e a considerava a pior opção para o filho. Assim, tentava sabotar a relação dos dois, inventando mentiras e colocando a garota em prova a todo instante.

Agora, para conseguir o que deseja, America precisa cortar os laços com Aspen, conquistar o povo de Illéa e conseguir novos aliados políticos. Mas tudo pode sair do controle quando ela começa a questionar o sistema de castas e a estratégia usada para lidar com os ataques rebeldes.

Sinopse: Skoob
119303551_4GG

:Essa linda história de Amor, acontece..

Em um  país chamado Illéa. U, país que sofre ataques cada vez mais devastadores dos  rebeldes. Os sulistas e os nortistas. Os nortistas, são desentendes de Illéa.

Os nortistas não querem derrubar a monarquia, apenas querem, liberdades especificas, como: Assumir cargos públicos e o fim das castas.

Os  sulistas são mais violentos, se  necessário, poderiam matar a família real. Para administrar o país com as próprias mãos. As castas, são uma espécie de cadeia social, a casta vai de 1 a 8. O  pior nível social.

Das trinta e cinco garotas da seleção, agora só restam quatro. Uma delas ira  ser a escolhida de Maxom. De todas as remanescentes que restavam   no palácio, America é  a única com  casta inferior. Uma cinco. Por isso ela foi muito perseguida, pelo pai de Maxon. Ela representa  um perigo, constante para os planos do rei.

America, têm postura e gostos simples,porém têm sentimentos nobres. Ela, tem postura de heroína, mas terá uma vida de princesa. Tantos conflitos marcam essa história. E isso faz dela algo maravilhoso. Mistura, clamor, luxo, beleza. Com pobreza, castigos, punição e corrupção.com isso a autora, nos faz refletir sobre o verdadeiro, sentido do poder. Ajudar o próximo, é para isso que as hierarquias existem e os  poderes públicos. Da medida que America, estreita sua relação com Maxon, ela descobre coisas. que a deixa, indignada.Com  a corrupção que está escondida por traz da monarquia, e para mantê-la.

O que dizer dos conflitos, sentimentais. America,  estava em dúvida entre Maxon ou Aspen. Aspen tem um amor eternamente fiel e seguro, por America. Maxon por sua vez, é  um rapaz inexperiente.

Maxon  amava,America porém a insegurança, e toda responsabilidade, por traz, da sua escolha o deixava, confuso.

A escolha concluí . A primeira fase da  emocionante,história de amor entre America e Maxon. Em  A Herdeira e A Coroa. America e Maxon não serão mais o casal protagonista. serão os coadjuvantes.

A Escolha, não  nós traz emoções   apenas, românticas. Durante toda a trilogia,  saímos  de um clima romântico, para um ataque dos rebeldes, e dai para um momento divertido, ou de pensamentos conflitantes. É um mix de sensações. Algumas vezes  precisamos  fechava o livro um pouco para, poder desacelerar,  os batimentos cardíacos. A seleção, nunca será uma leitura, enfadonha, você nunca vai cochilar quando estiver lendo, um dos volumes. (Particularmente, sem desmerecer nenhum, dos  três “A elite” foi o mais, envolvente de todos).

Maxon, demorou muito para subir no meu conceito. Sempre achei ele muito em cima do muro, cheio de segredos. Mas esse impressão  errônea mudou nos  últimos capítulos, da Elite. E finalmente na escolha pude admira-lo, e me encantar por ele.    (Nunca julgue um personagem até terminar a trilogia kkkkkk.). #FicaaDica.

A diferença de personalidade. Entre Maxon e America. Vale lembrar,  aquele ditado que diz: “Os opostos se atraem” . Nesse caso, funciona mesmo. America por diversas vezes, pois em risco sua permanência, da competição. Por sempre querer, bater de frente. Com as leis, e as regras, de Illéa. America é impulsiva por vezes insensata. E isso deixava Maxon em maus lençóis.Com o rei, E com o toda Illéa.

Maxon é controlado, equilibrado e muito sensato, especialmente quando o assusto se trata de desafiar o pai. Maxon e  America, têm os mesmos ideias de futuro. Tanto para a vida particular quanto para o futuro de Illéa. Maxon discordava  do abuso de poder do pai. E quando conheceu uma nova realidade de vida, que America lhe relatava, ele também,tinha planos  para  mudar a realidade do país que um dia ele iria governar. Porém, por enquanto,  lhe restava ser um mero telespectador, dos atos do pai. E   no   momento sua única missão era ter   que escolher uma esposa. O desejo de mudar pra melhor a qualidade de vida do povo de Illéa era um projeto desejado por ambos.  Apenas as formas de tentar chegar a esse ideal,eram   diferentes. America queria mudar pela força da emoção. Maxon, sabia que isso não seria fácil, e se mantinha cauteloso. Para não colocar tudo a perder.  Maxon sempre com amor, e uma  paciência, de Jô. Conseguia,  apaziguar as coisas, e America permanecia  da competição.

Em alguns, momentos da leitura  eu tinha a sensação de que, iria me  decepcionar. Porque o final do livro estava se aproximando. E as coisas  nada de se tornarem brandas. Era pura expectativa, dúvida e tensão. Ler a seleção é para quem tem coração forte.

Maxon e America. O que mais gostei desse casal é que eles, não são aqueles casais de conto de fadas tradicionais. Perfeitos. Melosos. Vida perfeita não existe, amor perfeito muito menos.Mas apesar da vida e das história de amor, não serem perfeitas. O que vale é ter na vida muita história pra contar. Não é? seja ela real ou ficção.E a seleção é uma dessas histórias, lindas, inesquecíveis e apaixonante. Que nós  deixa fora de orbita. Por algum tempo.

Eu nunca pensei que  depois de ler três livros, de uma trilogia. Minha vontade seria apenas uma. Querooooooooooo Maissssssssss. Que venha a herdeiraaaaaaaaaa.

Por Bia Oliveira

A Elite (Resenha)

A Elite

Seis garotas e uma coroa

A Seleção # 2

Kiera Cass

ISBN-13: 9788565765121
ISBN-10: 8565765121
Ano: 2012 / Páginas: 360
Idioma: português
Editora: Seguinte

Envolvente, sedutor, arrebatador, irresistível!

A disputa pela coroa continua!

A Seleção começou com 35 garotas. Agora restam apenas seis, e a competição para ganhar o coração do príncipe Maxon está acirrada como nunca. Quanto mais America se aproxima da coroa, mais se sente confusa. Os momentos que passa com Maxon parecem um conto de fadas. Mas sempre que vê seu ex-namorado Aspen no palácio, trabalhando como guarda e se esforçando para protegê-la, ela sente que é nele que está o seu conforto. America precisa de mais tempo. Mas, enquanto ela está às voltas com o seu futuro, perdida em sua indecisão, o resto da Elite sabe exatamente o que quer e ela está prestes a perder sua chance de escolher.

Sinopse: Skoob

CAPA-A-Elite

Era impossível. Eu tinha que escolher. Aspen ou Maxon? Mas como decidir entre duas boas opções? Como decidir se qualquer escolha deixaria parte de mim destruída?

Quando estava lendo, “A Elite”  e vendo que America, está cada vez mais confusa, entre:  Aspen ou Maxon. Mas as dúvidas de America vão além, de escolher, um amor. Também, está em jogo sua vida, que poderá mudar da água para o vinho.

Se America fosse apenas uma moça fútil, como a  Celeste.Uma das concorrestes.  Isso não teria nenhum  problema. Mas America têm  valores, e princípios, e coroa nenhuma, faria ela abrir não disso.

“Eu era uma cinco ou uma três? Ao final de tudo isso, seria uma Dois ou Um? Viveria o resto dos meus dias como esposa de um saldado ou de um rei? Passaria para o segundo plano, onde sempre me sentiria confortável, ou forçaria meu caminho até os holofotes, que sempre temera? Eu seria feliz nas duas situações? Conseguiria não odiar a pessoa que Maxon escolhesse se eu ficasse com Aspen? Conseguiria não odiar a pessoa que Aspen escolhesse caso eu ficasse com Maxon?”  Pg 175

 

Em A Elite, muitos temas são abordados, o coração de America dividido. Os ataques ao palácio, que são mais frequentes. Isso da um gostinho de aventura, e uma adrenalina a mais.   Mas, deste livro os podres do poder, são descobertos, Illéa, é construída a base de corrupção, submissão e abuso de poder, coisas não muito distante na nossa realidade.  Isso, aflora em America o desejo de justiça e igualdade, social. Ser a escolhida não bastava para ela, isso teria que trazer algum beneficio. Para os de casta inferior. Mas fazer alguma mudança será algo muito, mais muito difícil.

Desde de  A Seleção, eu prefiro Aspen, a Maxon. Aspen tem um coração de príncipe, e casta de plebeu, sempre honesto, fiel e super,apaixonado e fara de tudo para defender a mulher amada. Tudo que mais quero desta trilogia é ver Aspen, sendo muito feliz, com alguém. Sempre que os rebeldes invadem o castelo, meu único medo é que Aspen seja ferido ou até morto. Se isso acontecer vou sofrer muito.

Maxon por sua vez, é lindinho inexperiente, tanto com mulheres, quanto com a responsabilidade, que o espera. Sempre  tendo muito a esconder, por mais que quisesse ser sincero com America.

 

Mas nunca devemos julgar um personagem até terminar de ler, o livro. Maxon se redimiu, a duras penas, por toda confusão, que causou  a pobre, e confusa America. E também a nós pobres leitoras kkk.

 

Sabe aquele ditado: ” Nunca mexa com uma mulher ferida” . Isso é tão a América. 

 

 

11212239_750085145110303_1463018771_n

Maxon, enfim  delatou coisas inimagináveis, a America, ela pode entender o porque, de muitas coisas, os prós e os contras de ser um príncipe. E o quanto ele também é refém da própria, hierarquia.

Para terminar. . Sem tirar os méritos de “A Seleção” A Elite é gradativamente melhor que A Seleção, até porque é isso que se espera de uma trilogia, que o próximo supere o anterior. Para que a história, não fique cansativa.

 

Sem deixar de ressaltar, que Kiera Cass mostra que pode sim contar uma linda história de amor, usando uma linguagem, apropriada, para menores. Sem deixar de empolgar e envolver apaixonadamente os leitores mais experientes.

Sem preconceito. A seleção é para todas as idades.

Por Bia Oliveira